Entenda por que você, de repente, não lembra mais o que ia falar no meio de uma conversa, a diferença desse lapso para o Alzheimer e como cuidar da memória.




Aquele momento em que você e outra pessoa estão conversando e meio do papo, você se vira para argumentar algo, mas não consegue. Você simplesmente esqueceu o que ia falar. Quantas vezes não pensamos em algo para falar para outra pessoa, mas esquecemos repentinamente?


Calma... Esses esquecimentos súbitos são completamente normais e fazem parte de uma estratégia de funcionamento do cérebro. Entenda por que, às vezes, você para e pensa: "ih, esqueci o que ia falar!"



Por que esquecemos o que íamos falar do nada?


De acordo com o neurocirurgião Renato Andrade Chaves, o que acontece com nosso cérebro para que essa falha de comunicação ocorra é um abandono súbito do fluxo de pensamento diante de algo que ele considera inesperado.



"Nesse sentido, ele interrompe [o fluxo de pensamento] para nos concentrarmos em uma situação potencialmente perigosa", afirma o médico.


Quando devo me preocupar?


Esses lapsos na comunicação, como já citado, são normais e, a princípio, não pedem atenção. São diferentes, por exemplo, do esquecimento causado pela doença de Alzheimer ou a demência, que afetam negativamente a qualidade de vida por prejudicar a consciência, a tomada de consciência e o fluxo de conversa.


Esses esquecimentos, porém, pedem atenção quando acontecem junto a alterações repentinas de humor, momentos depressivos mais constantes, são frequentes de situações simples do cotidiano, de palavras comuns ou de fatos importantes.


Como evitar problemas de memória


A recomendação para evitar problemas de esquecimento e treinar a memória de curto prazo consiste em atividades padronizadas, como manter uma agenda com os lembretes necessários. "Além disso, leitura, jogos de videogames, meditação, exercícios físicos ou que estimulem a cognição, tocar instrumentos musicais e acompanhar séries na TV", exemplifica o médico. As informações são do Minha Vida.